10 dicas para Prevenir e Combater a Pressão Alta!

Dia 26 de abril foi o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial. A data alerta sobre a importância do diagnóstico, prevenção e tratamento da doença, que atinge 35% da população brasileira, além de ser responsável por desencadear até 80% dos casos de AVC e 60% dos casos de ataque cardíacos.Segundo o Ministério da Saúde, cerca de 50% dos hipertensos no Brasil ainda não sabem que têm o problema.

A pressão alta pode acometer crianças, adolescentes, adultos e idosos de ambos os sexos. O diagnóstico da hipertensão deve ser realizado por médicos.

Confira 10 dicas para evitar e controlar a pressão alta:

1. Emagrecer e controlar o peso – o sobrepeso está relacionado ao aumento da pressão, pois os quilos a mais fazem o coração realizar mais esforço para bombear o sangue.

2. Praticar atividades físicas aeróbicas cinco vezes por semana, como caminhar, correr ou andar de bicicleta.

3. Reduzir o consumo de sal – a quantidade máxima de sal que devemos ingerir por dia é de 5 gramas. Evite alimentos industrializados, pois contêm muito sódio.

4. Investir em alimentos ricos em potássio e magnésio – eles estimulam a eliminação do sódio pelo organismo, diminuindo a retenção de líquidos e a pressão arterial.

5. Manter uma alimentação saudável – uma dieta rica em verduras, legumes, frutas, carnes magras e cereais integrais é essencial.

6. Ficar longe do cigarro – ele promove a contração dos vasos sanguíneos, aumenta a pressão e os riscos de AVC.

7. Ter um sono de qualidade – dormir bem ajuda a normalizar os batimentos cardíacos e a circulação. Para isso, é preciso ter uma boa noite de sono com duração entre 6 a 8 horas.

8. Seguir orientações profissionais sobre o uso de medicamentos – pacientes que já sofrem com pressão alta devem seguir à risca o plano terapêutico elaborado pelo médico.

9. Evitar o estresse – o estresse e a ansiedade estimulam a produção de hormônios que causam um aumento da pressão, como o cortisol e a adrenalina.

10. Fazer acompanhamento médico – é importante passar por avaliações periódicas para verificar se houve uma evolução do quadro ou mesmo o surgimento de novos fatores de risco.